Composições complexas de paisagens

São fotografias nas quais evitei abordagens simplificadas, colocando propositalmente a cena cheia de elementos, procurado riqueza de desenho neles. Há ordem visual, mas esta ordem se faz através de um aparente caos.

  1. Esta é minha preferida de toda a série fotográfica deste fim de semana de 24/25 de setembro. Composição muito complexa, mas ordenada na linha de bananeiras e na posição clara da árvore pequena ao fundo, bastante desenhada.

http://img330.imageshack.us/img330/9461/20050924image00349ze.jpg

  1. Esta tem um bom desenho de folhagem nesse plano inicial (médio) e o posicionamento das bananeiras. Eu havia entrado no meio do mato e vi o desenho do capim, muito marcado e as bananeiras -adoro o formato delas. Fiz duas fotos, pois sem tripé e com medo de instabilidade (baixa velocidade às 17:00h, pouca luz)

http://img314.imageshack.us/img314/8045/20050924image00280uw.jpg

  1. Esta é uma composição tipo A. Adans (seguindo as idéias dele). Subi no barrando de cerca de 1,89m e dele fotografi a paisagem, mas incluindo os elementos que estavam sobre o barranco, elementos próximos. Aqui aparece o problema da necessidade de profundidade de campo desde pertinho até o fim, debatido no tópico sobre abertura.

http://img204.imageshack.us/img204/5494/20050924image0037b4nh.jpg

Ivan,

Eu também gosto muito de fotografar paisagens e gostei bastante da primeira foto.

Uma coisa que eu tenho tentado SEMPRE fazer é acertar a fotometria em fotos desse tipo. Nas tuas acho que o horário e o tempo que parece nublado colaborou um pouco para que você pudesse direcionar tua atenção na composição.

Muito legal tuas observações.

Existe a possibilidade de você mostar as linhas guias que você utilizou, como num tópico bem antigo no quela você apresentava fotos de escada?

Grande abraço,

Melão

PS.: Gostei da precisão “Subi no barrando de cerca de 1,89m”.

SUGESTÃO das linhas guias

Melão:

Na primeira e na segunda a luz estava bem difusa, era fim de tarde, por volta das 17:00h. Meu único cuidado nelas foi não incluir céu para não ter um ponto de claridade acima da latitude, pois o céu nublado é profundamente claro relativamente, mais que o céu azul. Então em termos de fotometria minha primira opção foi não incluir céu, para dispor de toda a latitude para o assunto principal.

Na terceria medi o céu para estabelecer um limite de exposição.

As estruturas dessas fotos foram medianamente pensadas, na primera e na segunda porque tomara 1/2 garrafa de vinho no almoço, e saí para fazer essas fotos meio “tocado”, mas há na primira uma converg~encia entre a linha inclinada definida pelos pés das bananeiras com a linha vertical definida pelo caluse central (quase). Há também a árvore em segundo plano bastante destacada, o que é importante por estar em segundo plano, isto é, estar destacada permite que seja vista direito.

Na segunda o caule mais à direita das bananeiras de fundo está no terço, e o jogo ali foi fazer um primeiro plano bem desenhado pelo capim e usar um fundo com a posição das bananeiras marcado.

na terceira, sobre o barranco que digitei 1,89 mas queria digitar cerca de 1,80, a estrada termina exatamente na ponta do retãngulo, e há uma espécie de cruzamento na diagonal, embora ela não esteja marcada, pois a folhagem mais escura à direita quase termina no ângulo superior. Nessa quis especialmente ter um primiro plano desenhado e nítido.

Falar o que ?
Muito boas fotos… a terceira esta muito legal, nem imagino como fazer a fotometria direito…ainda sou novice nisso hehehe, na pratica nao entendo muito… hehehe
vc poderia fazer um video-tutorial pra gente, que tal ? ehhehe
to brincando…

abraço :laughing:

Ivan,

A terceira foto ficou fantástica (até a minha esposa gostou - uma coisa rara).

Agora, as duas primeiras, não consegui enxergar o atrativo, apesar de tecnicamente boas.

Será que o poético e o lírico das suas fotos estão muito acima da minha percepção?

Zyk:

Eu diria sobre essas três fotos o seguinte: a terceira provavelmente é a melhor, por reunir o caos com uma legibilidade extrema.

Não é questão das fotos estarem acima ou abaixo da percepção de alguém. Cada pessoa tem sua abordagem. Já imaginou se todos gostassem da mesma coisa?

Essas fotos, e outras da série, tiveram um debate bastante interessante que dá conta disso no página Multiply onde está o álbum. Se você quiser dar uma olhada, inclusive no encadeamento das conversas lá ocorridas, para mim seria muito interessante conhecer sua opinião depois, independentemente de mudá-la ou não.

Está em:
Composições complexas

Abraços,
Ivan

É… Ivan,

Vi(mos) suas fotos e algumas eu gostei, outras a minha esposa (que mal sabe mexer na máquina, mas costuma bater umas espetaculares) adorou. Deve existir algo dentro destas fotos, coisas inexplicáveis que tocam dentro de cada um de nós de forma diferente e que transcende o belo comunitário pré-estabelecido.

PS: a propósito, experimente Miolo reserva Merlot 2004 (paguei R$24, no Carrefour).

Obrigado, Zyk, por ter ido lá, e ter seguido as conversas.

Tenho me dedicado bastante às paisagens, e elas não são simples de fazer, como parecem a primeira vista. Como disse lá, há fotos ali que cnsidero com ótimo potencial para grandes ampliações, e vou tentar fazê-las. É diferente, entende. Pegue a foto em 700 pixels de largura e pegue em papel com 40cm e a sensação é outra. Ainda estou engatinhando para reconhecer quais fotos permitem grandes ampliações.

Minha tendência são composições complexas. Eu acho as composições diretas pouco desafiadoras, e é através de forçar a complexidade que vou treinando minha capacidade de dar coordenação a contextos múltiplos em fotografia. Há fotos minhas de composição direta, vistosas, que não tenho vontade de rever depois de certo tempo, que jogo lá para o fim do áblum (álbum de fotos em papel), enquanto outras, complexas, cada vez gosto mais. Muitas vezes acontede de eu sair para fotografar com um plano claro do que quero fazer, do tipo de composição, etc. Neste eu queria jogar com primeiro planos e paisagem ao fundo, mas sem fazer do primeiro plano moldura e sim elemento importante da imagem.

Agradeça à sua esposa por mim. Se ela às vezes faz boas fotos é devido á educação do olhar, coisa que se ganha na fotografia mas se ganha também em inúmeros outros afazeres, principalmente os de natureza artística.

Gosto da uva Merlot, gosto bastante, mas sempre acho o Miolo caro em comparação com os chilenos em função da qualidade desses. O vinho que o Aluízio cita, por exemplo, o Concha y Toro Carmenere, é uma beleza, e é mais barato que o Miolo. Tenho ás vezes impressão de não haver muito sentido, com esses preços dos chilenos e argentinos, o vinho nacional. Mas o Miolo Reserva é de fato um bom vinho, isso é verdade.

Abraços tintos,
Ivan

Curioso… :denken:
Não gostei das cores de nenhuma das fotos, ao menos aqui no meu monitor.
Prefiro ± assim:

http://img159.imageshack.us/img159/48/20050924image00349zeb8yf.jpg

ou assim =)

http://img396.imageshack.us/img396/5755/ouassim6ix.jpg

Não, saturou de mais !