Comprei a Fuji S5100!

Depois de semanas (ou seriam meses?) de arduo trabalho de analise e escolha, decidi e comprei a S5100.
Antes que me chamem de duas caras, sim, eu xinguei muito a Fuji pela questão da vinheta, mas no final entendi que não teria outra camera com tantos recursos uteis p/ mim, que pudesse ser comprada facilmente aqui no Brasil e ainda por cima custasse tão pouco.
Dentre os fatores que analizei nas outras cameras e foram pontos positivos na Fuji, posso citar:

  • Bateria: aceita pilhas recarregáveis ou alcalinas, isso é MUITO bom, pois baterias proprietárias (Panasonic/Nikon) são um desastre pra comprar depois, além de mais caras;
  • Adaptador incluso: Parece bobagem, mas me sinto muito mais tranquilo agora sabendo que posso encomendar meus filtros sem ter que comprar um adaptador extra;
  • Zoom: Um dos fatores que mais pesou, principalmente contra a S7000 (que ficou em segundo lugar).
  • CCD normal: Isso no caso contra a S7000 que tem o SuperCCD. Definitivamente não fiquei afim de ser obrigado a fotografar em RAW o tempo todo, muito menos de ter que gravar imagens em 12mp pra ter o modo FINE no JPEG. Com a S5100 tenho imagens em 4mp FINE (cerca de 1.9mb por imagem) e opção de usar o RAW quando quizer.
  • Ruido: Niveis de ruidos são otimos, pelo menos nos testes iniciais que eu fiz. mesmo em ISO maior o ruido fica muito menor que na minha antiga SONY.

Cameras “desclassificadas” e motivos:

Panasonic FZ15 ou FZ20: Bateria proprietaria, ruido e dificuldade de compra no Brasil.
Nikon 5700: Foi uma forte candidata, mas é antiga (2002), muito cara e também tem bateria proprietaria.
Minoltas (Z2/Z3): Ruidosas e dificeis de achar no Brasil tb. Pensei na A1 tambem, mas já saiu de linha.
Canon IS S1: Falta RAW/TIFF, design estranho, faltam alguns recursos.
Fuji S7000: Ja citei acima, SuperCCD que obriga vc a fazer tudo em RAW ou gastar tubos de memoria pra ter fotos 12mp FINE, zoom fraco (6x).

Bom, é isso.
Ja coloquei algumas fotos que tirei com a S5100 no SuperZoom

Parabéns, Flávio.

No que a S5100 tem em comum com a S5000, é uma cãmera apaixonante. Ela é de uma usabilidade estupenda, e eu, pelo menos, me acostumei tanto com minha S5000 que só consigo imgainar uma evolução dentro da mesma lógica.

Tenho certeza que vai gostar.

Sobre a vinheta, tenho um truquezinho para lhe ensinar, muito fácil, para remover a vinheta quando não fotografar em RAW (quando fotografar em RAW vai ter de esperar um conversor capaz de lidar com o RAW dela, mas sugiro que experimente mudar a extensão do RAW e ver se o dcraw consegue converter. Quem sabe? Bem, o truquezinho é o seguinte. Usando a ferramenta da mácara poligonal, selecione um triângulo um pouquinho maior do que a região vinhetada. Aplique nessa máscara triangular o um feather de 50 a 100, dependendo do tamanho. Depois de aplicado o feather, clareie a região um pouquinho com o brightness. Pronto. Acaba a vinheta.

É claro que em céu azul é ainda mais fácil, pois basta usar a ferramenta clone. Vale a pena aprender a usar a fotometria manual, pois grandes possibilidades ali se escondem.

Lhe digo que ´melhor que isso só se tivesse comprado uma 5000 -risos.

Ivan

Lhe digo que ´melhor que isso só se tivesse comprado uma 5000 -risos.

Tava achando estranho o post sem a puxadinha :slight_smile:

Sobre a vinheta, estou pasmo.
Xinguei tanto quando vi as fotos nos reviews, fiquei tao possesso e acabei comprando assim mesmo.
Este feriado tirei muitas fotos, quase enchi o cartão de 512. Algumas em WIDE, e com o céu bem azul.
Sabe o que eu notei? NÃO TEM MAIS VINHETA!

Cara, eu não sei se eu to ficando louco, ou se a Fuji corrigiu o problema sem mudar o modelo da camera, ou qualquer coisa assim… mas a vinheta clara e aparente no cantinho superior esquerdo não existe mais.

Só notei isso agora a pouco, depois que descarreguei as fotos. Ainda chequei os EXIF pra ver se eu não tinha puxado nem um pouquinho a tele, mas não! A foto em wide total e sem vinheta!

Vou fazer mais alguns testes específicos, como fotografar uma folha em branco por exemplo, mas de antemão tive essa surpresa extremamente agradável.

Sabe o que é, Flávio…

Os caras quando fazem os testes forçam certas situações, e aí a coisa fica bastante grave. No uso normal eu tenho a vinheta em wide, mas ela é muito suave e fácil de corrigir. Dependendo do contexto fotografado, nem corrijo. Seus testes foram com adaptador acoplado?

Normalmente quando se testa é como o Ivan disse tem que botar para quebrar para que as falhas fiquem evidentes.
Eu por exemplo testo aberração cromática fotografando o canto de um Hazy em uma tocha de 400W. Até lentes boas mostram ligeira aberração cromática, as ruins saltam absurdamente à vista :slight_smile: É lógico que na vida real os efeitos serão menores, mas é sempre bom maximizar os defeitos nos testes para não tomar sustos depois :wink:

Desculpe a ignorancia Leo, mas o que seria Hazy?

Ivan, eu sei que os “testes” levam ao extremo, contudo, eu me refiro as fotos “sample” mostradas nos reviews (steves e dcresource).
Ambos, além de citarem nas suas conclusões que a vinheta era aparente, mostraram nas suas fotos de sample situações onde ela realmente aparece e incomoda, que é o céu azul. Da pra ver claramente o maldito triangulo escuro no cantinho!
Eu tirei 2 fotos nessa mesma situação, e não vi o triangulo. E, sim, com o adaptador acoplado (uso ele direto).
Não teria ficado surpreso se não tivesse visto uma foto parecida com a minha com a vinheta. Mas eu vi.
Pode ser correção no software? Pode. Se vc mesmo disse (em outro post) que era possível a correção via software, de repente isso é verdade, e no RAW eu vou ter uma surpresinha. Não tirei nenhum ainda.
Tenho uma maquina virtual windows no linux, vou instalar o software da Fuji e fazer um teste com RAW.

Hazy é um tipo de refletor usado em luz de estúdio para simular a luz difusa que passa por uma janela. :slight_smile:

Segue uma foto para vc ver com o que se parece:

http://www.atek.com.br/imagens/acessorios/hazy/hazy_light.jpg

Parabens pela camera nova!! E aproveitando o post, gostaria de tirar umas duvidas contigo:

  • Em alguns foruns os usuários reclamam que o EVF apresenta uma cor azulada, é verdade? A definição do EVF é boa?
  • Você ja tirou alguma foto com a camera em 10x? Elas ficam tremidas?:slight_smile:
    Bem, valeu pela ajuda!

Wilson, não reparei nada muito estranho no EVF, até porque nunca tinha usado EVF, e não tenho base de comparação.
A unica coisa que eu acho é ele meio “palido”. As cores no LCD são mais vivas, mais brilhantes.
De qualquer forma, acabei reparando que as fotos no final saem mais puxadas pro que vc viu no EVF do que no LCD.
A definição do EVF é razoável, mas parece um pouco uma “televisão de perto”. Da pra perceber os pontinhos. Mas considerando um VF óptico, o EVF é muito melhor.
ja tinha visto alguem comentando sobre essa questão do azulado, mas realmente não estranhei nada. De repente é questão do WB mesmo, vou prestar mais atenção.
Sobre os 10x… sim, já tirei muitas (alias, a maioria hehe), e a questão do tremido é braço firme e concentração. As fotos que eu postei no superzoom foram algumas em 10x que eu me lembre (do joão de barro por exemplo). Com ajustes manuais, é só deixar a velocidade alta que não tem mistério.
Alias, que maravilha que é ter ajuste manual. O dial da camera não sai mais do “M” :slight_smile:

Está no bome caminho, Flávio -risos.

Minha cãmera acho que só tirou duas fotos fora do modo M, as duas primeiras quando a tirei da embalagem para testar :wink:

Estou certo que está sentindo uma enorme diferença na maneira de fotografar. Como eu havia dito, as S5000/5100 têm uma estupenda usabilidade. É fácil nos acostumarmos com elas e o ato de fotografar fica muito intuitivo.

Concordo também com a história da mão firme. Evidentemente, há assuntos onde a nitidez é tão importante que é preciso tripé mesmo em wide, ou alta velocidade, mas para retratos, por exemplo, dá para usar a tele na mão se educamos a mão no disparador e nos concentramos no EVF.

O EVF da S55000 assim como o da 5100 não tem altíssima definição, o que nos faz estranhá-lo um pouco no início, mas depois que acostumamos é impensável voltar ao túnel de vidro ou usar o LCD. Só uso o LCD para ver as fotos depois, com calma. É dito que o EVF da S5100 é mais verde que o da S5000, e me lembro que no teste feito com o Ricardo a foto dele saiu mais verde também. Ponha o WB em Shade que esquenta as cores.

Só lembrando, o EVF da s5100 tem realmente a matiz puxada para o verde, no entanto não existe nenhuma relação da imagem ter saído esverdeada devido essa alteração no viewfinder, no LCD a imagem não apresenta essa tonalidade. Talvez a s5100 tenha capturado uma “profundidade tonal de cor” melhor, :smiley:

Parabéns pela câmera Flávio.
Estou decindo qual superzoom comprar e vi que você passou pelos mesmos problemas. Cada máquina tem seus prós e contras, e nós “amadores entusiastas”, cheios de dúvidas.
Estava propenso a adquirir uma Canon S1, porém vejo que vc gostou muito da S5100. Vc diz que faltam alguns recursos na Canon S1, quais seriam?
No DCPR review diz que a S5100 não é um equipamento ideal para macros. Vc já testou?
Grato

A grande falta da S1 é o modo RAW, Vinícius.

Além disso o fotômetro de barrinha das Fujis é sensacional.

Vinicius, não eram recursos, acho que eu escrevi mal.
Na verdade o que pega na S1, alem da ausencia do RAW, são os 3.2 megapixeis. Ta certo, isso não é o mais importante, mas pra uma camera superzoom, um ccd tão pequeno, com 3mp, e ainda fazer aquele monte de ruido (veja no dcresource), é triste.
Fora que as imagens que as canon entregam são muito processadas, tem muito artifact.

Fiz algumas macros com a Fuji sim, definitivamente não é um “espetáculo”, mas notei que eu consigo chegar mais perto dos objetos do que conseguia com a sony. Neste quesito a S7000 ganha, pois tem o “super macro” de 1cm.

Nada que uma lentezinha de close-up não resolva, afinal é só adquirir uma, uma vez que já tenho o adaptador (coisa que na S1 por exemplo, vc vai ter que comprar separado).

Sim Ivan, fantasticos os recursos de fotometria, tanto nos modos A/S (que ele indica pelo vermelho) como no modo M com a famigerada barrinha!
Agora vamos esperar seu topico com as impressões sobre a sua futura S7000 :slight_smile:

Concordo com você, Flávio. A S1 é cara pelo que oferece. Não é que seja ruim não, mas por menos você tem mais com outras câmeras.

O cara que comprou veio aqui em casa agora e levou a S5000, Confesso que sinto saudades. É uma câmera fantástica, deliciosa de usar, intuitiva. Pelo meu gosto compraria a s7000 e ficaria com a 5000, mas é preciso um pouco de juízo.

Quanto ao fotómetro de barrinha, você pode utilizá-lo para medir a amplitude das luzes do quadro. Basta colocá-lo em spot e apontar o centro da lente para a parte mais iluminada do quadro e fazer a leitura, e aí você terá uma velocidade/diafragma. Depois meça a luz média, grama, por exemplo, e veja se o afastamento é maior do que dois pontos de exposição (velocidade X4). Isso dá enorme controle do resultado.

Qaunto à macro, basta, como você disse, uma Close-Up

Parabéns Flávio!
É realmente uma ótima câmera. Já faz um mÊs que estou com a minha, e estou muito feliz…
Sinto falta de uma sapata para flash, mas pelo preço que paguei está ótimo.

No meu ponto de vista:

Pontos fortes.
A barrinha do fotometro, como o Ivan citou, realmente é muito boa.
O zoom de 10x faz a diferença.
O Raw, que poucas câmeras similares tem.
O anel adaptador vem com a máquina

Pontos fracos.
LCD de 1,5", que para o porte da máquina ainda é muito pequeno.
Sapata para flash externo

Realmente, há mais pontos positivos que negativos se comparada as similares.
Não digo que seja a melhor da categoria, mas acho que está entre elas.

Parabéns pela aquisição!

Ivan, eu nao entendi uma coisa.

No modo Manual, eu faço ajuste da velocidade e da abertura. Como que a camera vai me dar a leitura disso se foi eu quem ajustou? Ou vc chaveava pro auto só pra ter a leitura?

No M a barrinha me indica, pelo ponto central (desde a sony eu só uso spot), se aquele ponto de luz esta acima/abaixo ou na fotometria correta. Então faço justamente isso, fico apontando pra varios cantos da composição (mais claro, mais escuro, meia luz) e vejo se não há uma distancia grande (não deixo a barrinha grudar totalmente no “-” nem no “+”)

Mas em nenhum momento ela me diz qual seria a abertura/velocidade ideais p/ aquele ponto, a não ser que eu mude pro Auto.

Vou explicar.

Ponha a fotometria em spot.

Pegue um contexto qualquer para fotografar.

Escolha uma abertura qualquer, por exemplo, 5.6

Agora aponte o centro da cãmera para a área mais clara da foto, e mude a velocidade até o triângulo ficar no centro da barrinha. Quanto deu de velocidade? Não sei, mas vamos dizer que deu 800.

Agora aponte para um cinza médio 18% -risos- por exemplo, para um gramado batido pelo sol. Aí coloque a barrinha no centro de novo. Quanto deu? Vamos supor que deu 200. Bem, aí há entre a luz mais alta e a luz média uma distância de 2 pontos. Veja bem, 200X2=1ponto, 400x2=2pontos, portanto há dois pontos de distância de exposição entre a fotometria média e a fotometria da alta luz, e se você usar a fotometria média pode ficar tanquilo que não vai estourar a alta luz.

Mas digamos que você mediu para a luz média 1/100s. Então a distância entre a mais alta luz e a luz média está muito grande, e ou a foto ficará escura ou estourará a alta-luz, pois se regular a fotometria em 100, sua alta luz ficaá a mais de dois pontos de exposição da regulagem. Veja. 100X2=200 200X2=400. 800 está a mais um ponto desta fotometria, e é estourado na certa.

Aí você pode escolher uma fotometria ousada, por exemplo, 1/160, contando que a alta luz fique em 2.5 pontos da fotometria escolhida (se fotografar em RAW dará certo, pelo menos dá na S5000) ou será mais prudente e usará 200, e levantará as luzes baixas e médias depois para preservar a alta-luz.

Você mede a exposição fixando um parâmetro (por exemplo, abertura) e variando o outro, e colocando o triangulo no centro da barrinha a cada vez e lembrando de cabeça as leituras de velocidade.

Deu para entender?

Não tem nada a ver com Auto nem com Program (aliás, o Auto da Fuji é igual ao Program da Canon, e o Program da Fuji é quase manual, pois dá para fixar a relação velocidade/abertura).

Puts, eu entendi agora, e no fundo era praticamente o que eu estava fazendo :slight_smile:

É que do jeito que vc citou no post anterior deu a entender que a camera estava MOSTRANDO a relação abertura/velocidade, mesmo no modo manual. E isso não é possível.

Eu to fazendo praticamente do jeito que vc falou, mas em vez de mudar a velocidade em cada aferição, eu simplesmente observo o triangulo em cada ponto de luz. Se eu percebo que na luz alta ele “cola” no +, e na luz média ele fica no centro ou pouco acima, dou uma aumentada na velocidade e refaço as medições. A mesma coisa com a luz baixa.

Mas vou tentar fazer os calculos. Eu fazia com a sony, pois ela me mostrava em tempo real a velocidade ideal do ponto central. É que com essa barrinha milagrosa eu fiquei preguiçoso :slight_smile:

Cara, estou me sentindo muito esquisito sem câmera…

É como estar nú.

Vou comprar filme, enquanto espero a outra.