DOF x qualidade da imagem

Olá pessoal. Uma situação hipotética, digamos que você vá fotografar uma garrafa de vinho deitada sobre a mesa (uns 30cm) e queria mostrar especialmente os detalhes da rolha, que está voltada para a câmera. Sabendo que a melhor qualidade de imagem acontece no ponto de foco, você usaria uma profundidade maior e deixaria como ponto de foco a rolha ou daria o foco no meio da garrafa e diminuiria a profundidade? Ah, toda a garrafa deve ter foco, nada de desfoque.

PS: essa discussão surgiu na segunda garrafa, rsrsrs.

Se você vai fazer uma foto apenas, sem stacking, tem que usar o hyperfocal para tentar conseguir tudo o que quer em foco. O restante deverá estar em foco por causa do dof, claro que isso dependerá da sua distância para o objeto, lente, etc. Procure estudar sobre isso e vai te ajudar

Para alguns tipos de fotografia e alguns tipos de lente o hyperfocal é essencial. Eu utilizo muito em paisagens focando para conseguir o máximo possível de detalhes, ou também em algumas lentes para facilitar meu trabalho, como as UGA.

Lucas, mas a distância hiperfocal não é mais ‘viável’ em paisagens? Em distâncias tão pequenas como essa do exemplo da garrafa, tenho a impressão que é necessário se afastar a uma distância que faz com que o tema fique muito reduzido. Claro, se obtém nitidez em todos os planos, mas ao custo de diminuir a área do sensor ocupada pela garrafa.

Acho que se você quer destacar detalhes da rolha, o foco tem que ser feito nela, independente da profundidade de campo… Mas pra distâncias curtas, mesmo se usar abertura f/32 provavelmente não vai ficar nítida a garrafa toda, mesmo se usar hiperfocal. Teria que usar empilhamento de foco mesmo.

Se afastar da garrafa e depois cortar é uma saída também, mas dependendo do uso a gente não pode se dar ao luxo de desperdiçar pixels…

É a impressão que eu tenho também, Humberto. A dúvida, na verdade, é se vocês acham melhor dar o foco na rolha e usar um DOF que pegue todo o resto da garrafa, ou se dariam o foco logo depois da rolha e usariam a regra do 1/3 e 2/3. Visando melhor qualidade, creio que o ideal seria dar o foco na rolha e usar uma abertura pequena.

Tiago, não é minha área, mas acredito que, como disse o Humberto, nem mesmo em F32 em curta distancia vai ter tudo em foco, talvez se iluminar muito bem e usar um celular consiga, mas com uma DSLR não acredito que dê, mesmo colocando o centro da profundidade de campo no meio da garrafa não vai ter DOF suficiente, sem contar que em F32 já vai perder muita qualidade devido a distorção.

Acredito que a única solução é empilhamento de foco (Focus Stacking).

Quem conhece bem essa fotografia é o Claudio Rombauer, se ele ver esse tópico acho que te “dá uma luz”.

Utilizando o hyperfocal você consegue ajustar melhor o foco inclusive para coisas pequenas e DOFs menores, deixando todos os detalhes que você precisa em evidência, nesse seu caso a rolha. É um conceito simples, que com prática entrega um resultado melhor!

Nesse seu caso o problema é você definir qual a finalidade da imagem, o que você precisa mostrar e como. Você ainda precisará ter o hyperfocal em mente, caso contrário você deixará a ponta da rolha em foco e o restante dela ou os detalhes ao redor dela (como o lacre) sem detalhe.

Se você quer algo completamente artístico, pode até usar um DOF mais curto, mas se quer algo mais voltado ao produto o DOF tem que ser grande o bastante para utilizar o restante da garrafa para compor uma imagem que tenha uma informação relevante a pessoa que está olhando.

Tudo depende do seu objetivo e da sua composição

Exemplo que não me agrada

Exemplo que me agrada


Exemplo que não me agrada pela composição, mas que tecnicamente está mais correto que o primeiro


Exemplo que me agrada

Chumbs, pelo que entendi do post original, ele quer pegar detalhes da rolhas, mas deixar o resto da garrafa inteira em foco.

E a garrafa está apontada para a câmera, praticamente impossível fazer essa foto em empilhamento.

Na verdade é apenas uma suposição, até porque não é uma posição que valorize a garrafa/vinho. O foco principal deve estar na rolha, mas até a borda inferior da garrafa deve ter nitidez, sendo que ela está deitada sobre uma mesa e a rolha voltada para a câmera. Estava jantando com a minha mulher e fiquei pensando em como uma foto dessas seria feita, ehehe. Difícil mesmo…

Atualmente stacking, antigamente haviam as View Cameras (camera de fole) com movimentos.

Foco manual; aberturas mais fechadas possíveis - F8, F11, F16. Use o live view pra verificar se o foco está preciso na rolha e na garrafa. Use lentes com distância focal menor, como 15, 18, 24MM , etc, pra ganhar profundidade de campo.

Sobre o hiperfocal, há aplicativos de celular que ajudam a entender e calcular como fazer. Sugiro procurar na Play Store pelo aplicativo Hyperfocal. Muito didático.

Enviado de meu SM-G9600 usando o Tapatalk

Às vezes perde mesmo. Já vi stack provocar distorções na imagem semelhante a um blur muito, mas muito forte.

Só acontece essas coisas quando dá algum artefato, algum erro que o programa não consegue interpretar. Normalmente o empilhamento de foco dá resultados certinhos, na imensa maioria das vezes. Já usei muito, e com versões de programas mais atuais nunca tive problema algum.

Atualmente não faço mais macro, na época eu usava o Helicon Focus e o Combine Z. O Helicon é melhor, mas é pago. Também usei o programa proprietário da Leica, que vinha junto com o microscópio, mas esse foi o que me deu alguns artefatos.

Mas tudo isso foi a uns bons 10 anos atrás, durante meu doutorado. Atualmente deve ter programas melhores, até o Photoshop faz isso hoje em dia.