Floripa Privatizada

A foto a seguir foi feita na Servidão Jorge José Braz, na praia do Campeche, em Floripa. Há uns quinze anos, um pessoal que mora em uma parte da rua decidiu simplesmente fechar o acesso, colocando um muro com portão literalmente no meio da rua e criando seu “condomínio privado”. Na parte que ficou em poder do “condomínio”, há uma área verde onde os moradores dos arredores, especialmente as crianças, costumavam brincar e passear. O caso já foi debatido na câmara municipal, onde, segundo informações do Diário Catarinense, “em 20 de setembro de 2005 uma audiência pública entre poder público, moradores e um representante dos condôminos originou a Lei 6.901, sancionada pelo prefeito Dário Berger. Publicada no Diário Oficial em 16 de dezembro do mesmo ano, a matéria ratifica como via pública a servidão numa extensão de 230 metros; pelo menos 161 destes agora impraticáveis”. Entretanto, nada foi feito até o momento e o muro continua ali.
Ontem, dia 23/03, data em que se comemora o aniversário de Floripa, os moradores da rua fizeram uma festa-protesto, e fui lá fotografar. Durante o evento, um casal entrou no “condomínio”, abrindo o portão (que é eletrônico) e sendo observado por esta menina. A foto foi feita enquanto o portão estava se fechando, logo após a entrada do casal na área fechada.