Fotografos não são benvindos

Bom senso versus direito de imagem.

Antes de ter fotografia como hobbie, gosto de visitar museus. E conheci algumas coisas interessantes.

Em 1995 quando morei nos EUA, tive a oportunidade de visitar o Museu Aeronaútico da Base Aerea de Patterson Ohio EUA Como todo mundo entrei com uma câmera e me esbaldei. Fotografei inclusive aeronaves militares fora do museu. Note, fotografei as dependências operancionais de uma área “levemente” sensível da maior potencia militar do planeta e ninguém veio avisar que não poderia fotografar.

Pouco tempo depois, visitei o Museu da Ford Motor Company em Detroit MI EUA. Ao entrar mantive o seguinte diálogo com um funcionário na recepção:

  • Posso fotografar? - Peguntei
  • Não pode. Você deve fotografar - foi a resposta do sorridente funcionário.

Novamente fiz a festa, principalmente fotografando o Lincon em que o JFK foi morto.

Em 1997, visitei o Palacio de Versalhes, perto de Paris. Novamente fotografia era benvinda, desde que não se fossem disparados flashes, que poderiam comprometer integridade do material exposto. Naturalmente.

Hoje dia, 21-04-06, fui visitar o Museu do Café de Ribeirão Preto - SP. Um lugar arborizado com alguns casarões do final do século 19. Supostamente um lugar interessante para boas fotos.

Nem de longe era minha intenção fotografar qualquer parte ou artefato das dependências internas. Afinal entendo que luz e antiguidades não são compatíveis.

Primeiro choque, apesar de ser recomendado como ponto turístico da cidade, está claramente abandonado. Na entrada, uma placa indicando “Acesso pelos portões dos fundos”. Claramente, o abandono.

Entrei pelos fundos, não vi nada nem viva alma, tirei a câmera da bolsa. Nem tinha feito foco numa quina de um casarão quando escuto:

  • Moço, moço, você não pode fotografar aqui.

Educadamente, guardei a câmera, e fui conversar com a zeladora que estava me repreendendo.

  • Mas nem do lado de fora?
  • Não moço, é ordem da administração.
  • Porque?
  • Porque teve gente que veio aqui fotografou e usou a imagem.

Ela ememdou - se o senhor quiser. O senhor volta e conversa com a administração.

Obvio, a administração, que como qualquer bom funcionário público está descansando em outra dimensão. Afinal é feriado e ninguém visita museu em feriado.

Sorri, pedi desculpas, peguei meu carro e saí.

Frustrado, pelo tempo e viagem perdida, pensei: pelo que me consta, até que me mostrem juridicamente o contrário, desde que não coloque em risco ou danifique o patrimônio, a imagem de uma espaço público é de domínio público.

Não se trata de uma área privativa, é a área externa de um espaço publico. Isso seria equivalente a alguem dizer que é proibido fotografar, por exemplo, a estátua do laçador em Porto Alegre, a Igreja da Pampulha em Belo Horizonte ou monumento do Ipiranga em São Paulo.

Mas acho curioso que um museu, mantido e gerido com fundos públicos, ou seja impostos, esteja preocupado com uso púlbico da imagem.

Na minha ótica, imagem é divulgação. E espaços públicos culturais precisam de divulgação. Mesmo que a imagem venha a ser usada comercialmente, ela é divulgação de um espaço voltado ao público. E portanto agente de atrativo para mais púlblico.

Alguem aí versado em propriedade de imagem pode me explicar essa falta de bom senso?

Alguem aí versado em propriedade de imagem pode me explicar essa falta de bom senso?

Eduardo.
Eu ainda não fui barrado em nenhum lugar que quisesse fotografar. Mas com certeza, seria muito frustrante.

Eduardo. Eu ainda não fui barrado em nenhum lugar que quisesse fotografar. Mas com certeza, seria muito frustrante.
Ah meu amigo, para mim que procuro ser o mais correto possível, foi muito frustrante.

Na verdade esqueci de perguntar se tem algum participante do forum que pode esclarecer se há ou direito de imagem de um espaço público.

Porque eu quero fazer um escarcéu…

Cara, isso aconteceu comigo uma vez somente, fou numa saida do “BRFOTO”, fomos no Museu do Imigrante, era aniversário de SP, nos reunimos na frente do local aguardando o mesmo abrir. dai apareceu um fulano dizendo que não poderiamos fotografar pois teria que pedir autorização antes, tinha o direito de imagem e bha bha bha.
No final das contas entramos e fizemos varias fotos, sem nenhuma censura!
Não sei pq aqui é uma frescura danada, concordo que os iténs internos dos museus podem ser afetados pela luz, etc etc.
No museu do Ipiranga, yb não deixam fazer fotos internas, mas do lado de fora td bem.

Comigo aconteceu no pátio de Museu de Arte Contemporânea em Niterói. Estava escurecendo e eu abri o tripé para fazer uma exposição mais longa e o segurança disse que não podia usar tripé. Eu falei que no pátio não deveria ter problema, mas só falando com o admininstrador.
Difícil de acreditar.

Parece que as pessoas têm que fazer uma demonstração estúpida de autoridade pra compensar alguma frustração pessoal que têm na vida…

Este é o nosso Brasil… infelizmente.

Bom, não li tudo que foi postado, mas muitas vezes isso tem uma explicação lógica, alguns museus não permitem pelo valor do acervo e pode-se estar fotografando para estudar localização das peças ou item, e outros pq o flash (em teoria) apressa a deterioração de alguns materiais, se isso é mito não sei, mas o Museu Imperial de Petrópolis não me deixou usar a câmera sob essa alegação, e se for verdade, é razoável.

Bom, não li tudo que foi postado, mas muitas vezes isso tem uma explicação lógica, alguns museus não permitem pelo valor do acervo e pode-se estar fotografando para estudar localização das peças ou item, e outros pq o flash (em teoria) apressa a deterioração de alguns materiais, se isso é mito não sei, mas o Museu Imperial de Petrópolis não me deixou usar a câmera sob essa alegação, e se for verdade, é razoável.
Visitando o local vc não conhece saber a localização dos objetos de valor?

Então não tem tanta lógica não. :smiley:

Tem o fato dos direitos de imagem no caso de obras artísticas. Mas o pessoal está falando de proibirem de fotografar em locais públicos. :nono:

Se não tivesse lógica criminosos não estudariam locais onde agem meses e meses antes da ação. Anyway, não seria o caso do referido Museu do Café, sei lá, o Brasil é um país contraditório, não duvido que a proibição seja para não divulgar o péssimo estado de conservação.

Comigo aconteceu no pátio de Museu de Arte Contemporânea em Niterói. Estava escurecendo e eu abri o tripé para fazer uma exposição mais longa e o segurança disse que não podia usar tripé. Eu falei que no pátio não deveria ter problema, mas só falando com o admininstrador. Difícil de acreditar.
Paulo,

Esse caso deve ter sido ignorância do funcionário, pois já fotografei várias vezes no MAC inclusive com tripé, com flash e também na parte interior e nunca tive problema. (de repente os outros funcionários e que não cumprem as ordens e me deixaram fotografar, se bem que eu perguntei se podia).

Alguém me contou que também foi em um lugar onde era proibido fotografar com tripé (acho que era uma igreja), proibir flash ainda se entende, mas tripé…

Infelizmente no Brasil a naioria dos Museus proibem fotografar, alguns em todo o prédio, outros “apenas” onde ocorrem as exposições.

As desculpas que eles usam não me convencem, pois acho que no Louvre, onde existem peças muito mais valiosas, pode se fotografar 9segundo ouvi falar, infelizmente nunca fui lá).

A verdade é uma só…
O Brasil é uma grande comédia e nós somos os palhaços. :confused:

O flash realmente deteriora pinturas, mas para isso que temos tripés e ISO alto. O museu pode muito bem proibir o uso do flash ou simplesmente usar vidros especiais anti-flash como os que protegem a Monalisa.

As desculpas que eles usam não me convencem, pois acho que no Louvre, onde existem peças muito mais valiosas, pode se fotografar 9segundo ouvi falar, infelizmente nunca fui lá).
No Louvre pode fotografar a vontade, eu já fui.

Já notei que a proibição de fotografar é diretemente proporcional à condição de ‘muquifo’ do museu. Compensam seus acervos ridículos, abandono e desorganização com cagação de regra. Eu passo longe dessas roubadas.

Só para reforçar, não tinha a menor intenção de fotografar o interior. Pq sei que pinturas, pigmentos, vernizes são degradados pela exposição repetida a luz de flashes.

Quanto ao tripé, pode-se até pensar, alguns tripés, tem pés metálicos, que podem arranhar o piso. Sei lá, pode ser justificável considerando a possibilidade de dano ao patrimonio.

Quando a possibilidade de uso da imagem para finalidades estrategicas num roubo. Pô isso aqui é Brasil, bandido não precisa ser Sean Connery.

No Louvre onde já estive, e não levei a camera, vc pode fotografar, desde que não use flash. afinal as obras que lá estão a imagem são de domínio público.

Mas permanece a pergunta: existe base legal para a administração do museu não permitir fotografias do prédio, que é público?

Começo da desconfiar que no caso do Museu do Café, o caso é que o abandono contrasta com publicidade feita pela administração municipal.

Muitos museus e espaçcos públicos são vigiado por seguranças terceirizados, que são uma raça que merece um tópico a parte. Mas no caso fui barrado por uma zeladora.

Aposto que na Casa do Céu, se vc tirasse a camera da bolsa na frente os seguranças viriam na hora para impedir a foto, mas para impedir um roubo… leveram um Chagal, não foi?

No Brasil, principalmente no interior de Minas (Igrajas), a grande razão pra se proibir a fotografia é a identificação e leilão de material, em busca de interesse no mercado negro. Os caras vão lá, tiram fotos, e leiloam nos meios artísticos uma obra daquele estabelecimento. Se houver interesse, roubam sob encomenda. Sentido em proibir faz. É isso que vai coibí-los? Óbvio que não. Do jeito que a coisa anda os caras roubam tudo e o que vender vendeu… Se não vender, joga no lixo.

No Brasil, principalmente no interior de Minas (Igrajas), a grande razão pra se proibir a fotografia é a identificação e leilão de material, em busca de interesse no mercado negro. Os caras vão lá, tiram fotos, e leiloam nos meios artísticos uma obra daquele estabelecimento. Se houver interesse, roubam sob encomenda. Sentido em proibir faz. É isso que vai coibí-los? Óbvio que não. Do jeito que a coisa anda os caras roubam tudo e o que vender vendeu... Se não vender, joga no lixo.
Aina mais pq hoje em dia o cara tira fotos do celular e ninguém vai nem ver.

Isso que eu ia falar Marcelo, com celular hoje em dia vc fotografa qq coisa para fins de espionagem e coisas a fim… Tanto que grandes empresas de tecnologia tem proibido o uso de celulares nas suas áreas mais restritas.
Agora é patético isso de proibir, dá vontade de ir, fotografar com um celular com câmera razoável e mostrar o descaso em um jornal ou revista só para os caras verem que a tal proibição não passa de uma marmelada para tentar evitar que mostrem o quão medíocre eles são.

Isso que eu ia falar Marcelo, com celular hoje em dia vc fotografa qq coisa para fins de espionagem e coisas a fim... Tanto que grandes empresas de tecnologia tem proibido o uso de celulares nas suas áreas mais restritas. Agora é patético isso de proibir, dá vontade de ir, fotografar com um celular com câmera razoável e mostrar o descaso em um jornal ou revista só para os caras verem que a tal proibição não passa de uma marmelada para tentar evitar que mostrem o quão medíocre eles são.
Exatamente o que eu penso...

:thmbup:

Comigo aconteceu no pátio de Museu de Arte Contemporânea em Niterói. Estava escurecendo e eu abri o tripé para fazer uma exposição mais longa e o segurança disse que não podia usar tripé. Eu falei que no pátio não deveria ter problema, mas só falando com o admininstrador. Difícil de acreditar.
Paulo,

Esse caso deve ter sido ignorância do funcionário, pois já fotografei várias vezes no MAC inclusive com tripé, com flash e também na parte interior e nunca tive problema. (de repente os outros funcionários e que não cumprem as ordens e me deixaram fotografar, se bem que eu perguntei se podia).

Alguém me contou que também foi em um lugar onde era proibido fotografar com tripé (acho que era uma igreja), proibir flash ainda se entende, mas tripé…

Infelizmente no Brasil a naioria dos Museus proibem fotografar, alguns em todo o prédio, outros “apenas” onde ocorrem as exposições.

As desculpas que eles usam não me convencem, pois acho que no Louvre, onde existem peças muito mais valiosas, pode se fotografar 9segundo ouvi falar, infelizmente nunca fui lá).


Não sei em fotografia e nem sei se isto vale para todo o país, mas aqui no Rio se vc fizer uma filmagem na cidade com a camera no ombro tudo bem, mas se colocar em um tripé tem que pagar uma taxa na prefeitura para poder filmar. A justificativa é que o uso amador da imagem é gratuito e o uso profissional é taxado, e para eles o que diferencia um do outro é o tripé…