Interpolar - Quais os limites?!

Estava pensando num assunto para a gente debater um pouco, e apesar de todo mundo já estar cansado de saber que as interpolações via passos de 10% no PS produzem melhores resultados, vi muito pouco debate sobre quais os limites. Traduzindo para um lado mais prático, uma câmera de boa qualidade e resolução 4mp faz impressões de até 20x15cm a 300 dpi sem qualquer interpolação, mas se o usuário necessitasse respectivamente de 1, 2 ou 4 mp extras, quais seriam os limites da interpolação x custo-benefício x necessidade real de aquisição de uma nova câmera (para fins de debate, uma câmera idêntica com apenas mais resolução, no caso 8mp). Qual percentagem seria possível aumentar uma imagem por interpolação sem que a perda fosse tal que justificasse a aquisição de uma máquina com mais resolução, quais os limites da interpolação?! Mais claro ainda, até quanto vale a pena aumentar uma imagem para impressão sem que a perda de detalhes comprometa a qualidade a ponto de justificar a troca do equipamento?!

Eh isso,
Abraços.

Gustavo:

Minha antiga s5000 eu considerava “classe 4mp”, embora somente tivesse 3mp físicos, devido aos seu CCD e aquela história toda que se formao debater aqui não tem mais fim. Então, apenas para seguirmos, vamos estabelecer isso como dado, até porque se for considerado menos a resposta fica ainda mais interessante.

Com essa câmera eu fiz fotos de 15X30 a 300 dpi, 28X25 (em papel 20X25), 20X25 (cropando na largura, isto é, a imagem seria de 20X26,6) e por fim 25X33.

Hoje olhando tais imgens em comparação com as da s7000 elas me parecem precisar mais detalhamento, mas a verdade também é que muito disso provém da ótica, e isso você tem de sobra.

Há uma variação de resultados de acordo com o assunto. Tenho uma foto 25X33 feita da minha filha linda, e esse tamanho corresponde a cerca de 12mp! Por outro lado, paisagens começam a precisar de detalhamento muito antes.

Com a s7000 cujo CCD tem 6,3mp e exporta 12mp (e que considero “classe 8mp” no fim desse carnaval todo), fiz há alguns dias uma foto do Museu da República, deixei-a em 9mp de foto e um pouco mais de moldura num papel de 24X30, e ficou talvez a melhor foto que já fiz em termos de detalhes e nitidez.

Naturalmente você deverá partir de um TIFF, pois todo o tratamento feito depois da conversão e mesmo a interpolação foram em TIFF.

Pode interpolar em passos menores até, tipo 3% em Bicubic Smoother e dpois dar o tratamento. Para não ficar chato, construa uma action.

Dentro de limites muito prudentes, 6mp (mais ou menos 18X24) é tranquilo.

Quer uma sugestão? Preparar a mesma foto em 15X21, 18X24 e 25X33, mande imprimir e veja por você mesmo. Essa brincadeira sai barata. Com cerca de 10 ou 15 reais você responde definitivamente sua questão.

Acabei de fazer o teste de interpolação no PS.
Sempre ouvi falar que era para fazer em partes de 10 em 10% ou 3 em 3%, pois fiz o teste com a mesma foto, em uma ampliei 10 vezes 3% e na outra interpolei direto no tamanho que a outra tinha ficado.
Cortei em 100% áreas de detalhe , e em todos a interpolação direta ficou melhor, com muito mais nitidez e detalhes!
Alguém já fez este teste?
Tá certo?

Abraços, Alexandre Serodio

Já fiz o teste interpolando direto, com 10% por passo e com 3% por passo há algum tempo.

Se você ampliar a foto em passos menores não ocorre pixelização. Naturalmente se a interpolação for pequena, a diferença pode ser pouca, mas para grandes interpolação faz uma diferença extrema.

Abaixo um trecho da mesma foto interpolada em passos pequenos de 10% e direto. Asseguro cque com 3% é malhor ainda. A interpolação levou a foto a 400% do seu tamanho original.

Basta clicar e ver em seu tamanho total. Depois de abrir clique na foto para exibir no tamanho real

Pergunta de um analfabeto em photoshop… o que é interpolar? aliás como se faz isso?

Interpolar é aumentar o tamanho da imagem em pixels.

É feito através do Image>Image Size>(colocar os parãmetros em, digamos 110% cada vez)>Bicubic Smoother

Isso faz com que a imagem cresça em pixels (naturalmente não em detalhamento) sem mostrar os pixels virando quadradinhos.

Dá para ampliar ao dobro com alguma facilidade.

Obrigado Ivan

Já fiz o teste interpolando direto, com 10% por passo e com 3% por passo há algum tempo.

Se você ampliar a foto em passos menores não ocorre pixelização. Naturalmente se a interpolação for pequena, a diferença pode ser pouca, mas para grandes interpolação faz uma diferença extrema.

Abaixo um trecho da mesma foto interpolada em passos pequenos de 10% e direto. Asseguro cque com 3% é malhor ainda. A interpolação levou a foto a 400% do seu tamanho original.

Basta clicar e ver em seu tamanho total. Depois de abrir clique na foto para exibir no tamanho real


Oi Ivan, trabalho como diretor de arte,tenho 15 anos de experiência em tratamento de imagens. Não sou nenhum mestre insuperável, mas considero ser bom no que faço e na minha interpretação a imagem interpolada diretamente ficou muito melhor, a imagem interpolada em etapas está mais desfocada e sem alguns detalhes. Enquanto a interpolada diretamente está mais ítida possibilitando um tratamento melhor nela. Acredito que se este sistema fosse melhor, a equipe que produz o PS utilizaria este efeito já integrado em uma interpolação direta (se já não está integrado). Vc não acha?

Embora eu não seja diretor de arte, penso que é evidente NESTE CASO (mas nada conclusivo) ser a imagem interpolada em passos, melhor. Se a imagem interpolada diretamente pelo Ivan já começa apresentar degradações, como podemos dizer que essa mesma imagem suportaria um tratamento melhor? Bastaria depois da interpolação um USM para deteriorar de vez, a imagem que já está no limite dela, enquanto a interpolada por passos aguentaria tranquilamente mais sharpness.

Embora eu não seja diretor de arte, penso que é evidente NESTE CASO (mas nada conclusivo) ser a imagem interpolada em passos, melhor. Se a imagem interpolada diretamente pelo Ivan já começa apresentar degradações, como podemos dizer que essa mesma imagem suportaria um tratamento melhor? Bastaria depois da interpolação um USM para deteriorar de vez, a imagem que já está no limite dela, enquanto a interpolada por passos aguentaria tranquilamente mais sharpness.
Oi Guss, pra tentar explicar melhor o que eu disse, fiz uma alteração na imagem interpolada diretamente pra ela chegar mais perto da interpolada por passos. Um processo simples com blur e ela chegou a um resultado bem parecido (com mais tempo chegaria até mais). A imagem interpolada por passo aguenta mais sharpness pq ela está muito mais desfocada (blur) que a outra, só isso.

Outro teste que eu fiz fazendo o mesmo processo só que com várias imagens, incluindo traços:

Nos exemplos do Ivan e do Dig@o, sem dúvidas a interpolação por passos ficou melhor.
Estranhamente eu tentei isso em uma foto aqui e ficou simplesmente horrível. Acho que fiz alguma besteira! rs…
Vou tentar denovo.

No caso do Digão, parece que a interpolação direta deu melhores resultados, é complicado tirar conclusões, pq no ex. do Ivan achei a interpolação em passos melhor.

Gustavo e Ripper

Interpolação não é ciência exata. É mais como uma alquimia, ou como cozinhar. Cada imagem pede um tipo de coisa e alguns procedimentos são melhores em um tipo de imagem, outros noutro.

De maneira geral eu fazia a interpolação antes do tratamento. Depois aplicava curves, sharp etc. mas tenho um plugin chamado Smart Sharp ou coisa parecida que faz melhor a partir da imagem tratada (aliás, faz muito bem).

Acho que o importante aqui já foi dito: os métodos gerais, a lógica da coisa e o que esperar. O resto é fazer a experimentação por si mesmo.

O método do 0ig@ao de aplicar um blur depois é interessante, e aparentemente a imagem fica muito próxima. Se funcionar sempre, sem dúvida é um método mais cômodo, pois interpolar por passos é demorado.

Ripper. Um dos limites mais sérios à interpolação são os artifacts do JPEG. Fica ruim mesmo. Interpolação de JPEG tem limites muito mais estreitos que de um TIFF. Talvez seja isso que tenha acontecido com você. Um JPEG pouco comprimido permite uma interpolação modesta, digamos que permite levar uma imagem de 2mp para 3mp no máximo, ou de 4mp para 6mp se não for paisagem ou algo cheio de detalhes e a partir de um JPEG bem pouco comprimido. O mesmo vale para artifacts de sharp.

No caso do Digão, parece que a interpolação direta deu melhores resultados, é complicado tirar conclusões, pq no ex. do Ivan achei a interpolação em passos melhor.
Guss, não achei não. Dê uma olhada no lado direito do resolution chat. Ficou horrível com a interpolação direta. Bem melhor fazer em passos.
No caso do Digão, parece que a interpolação direta deu melhores resultados, é complicado tirar conclusões, pq no ex. do Ivan achei a interpolação em passos melhor.
Guss, não achei não. Dê uma olhada no lado direito do resolution chat. Ficou horrível com a interpolação direta. Bem melhor fazer em passos.
Ainda não consegui passar o q penso, vou tentar a última vez:

The Ripper: A sua sensação de achar q a imagem interpolada por passos está melhor é meio ilusão. A imagem se parece melhor por q está mais “macia”, quero dizer um pouco desfocada, passando a sensação de estar normal. O que eu queria que vcs entendessem é que com uma simples aplicação do filtro “Blur”, eu posso deixar a imagem interpolada diretamente do mesmo jeito q a interpolada em passos.
Mas eu não tenho condições de deixar a interpolada em passos do mesmo jeito q a interpolada diretamente. Isso quer dizer que com a interpolada diretamente eu tenho mais liberdade de tratamento e a opção de melhorá-la muito mais.

O resolution chart q vc comenta aos meus olhos está muito pior na interpolada em passos, pois nem consigo definir linhas inclinadas, já na interpolada diretamente eu consigo definir. Dê uma olhada nas pilhas escritas em japônes, eu tenho uma visão muito mais definida das letras e logotipos na interpolada diretamente, já na por passos eu não consigo definir a maioria dos caracteres.

Também vou repetir novamente: Os criadores do Photoshop não iriam fazer um comando sem nenhum estudo, principalmente num programa desses e numa ação tão utilizada. Eles devem ter aperfeiçoado muito esta ferramenta e chegado ao melhor resultado pras mais variadas aplicações. Isso eu tenho certeza.

Saindo um pouco dessa discussão. Acredito q não devemos sair muito de uma interpolação de no máximo 100% pra não perdermos qualidade. Mesmo assim já é muita perda de qualidade.

Espero que tenham compreendido.

Vlw!

Dig@o.

Achei seu método interessante, só não concordo absolutamente com achar que o que não tem no PS é porque não é bom. Na verdade há dezenas de programas de interpolação todos eles melhores que o PS. O PS não incorporar uma funcionalidade pode ter várias razões, entre as quais os direitos de autoria.

O método de interpolação por passos constitui um desses programas vendidos, inclusive. Mas isso, assim como o argumento de não ter no PS, pouco importa. O que importa é o julgamento dos resultados mesmo.

A observação do Ripper é pertinente, pois o somatório da interpolação bicúbica direta com o padrão estreito e inclinado do Resolution Chart produziu moiré perceptível. É por isso que digo que cada imagem reage melhor a um método, e para algumas a interpolação direta pode satisfazer e ser melhor, para outras não. Em interpolações ao dobro dos pixels (isto é, 125%) é provavel serem muito convergentes os resultados, mas tenho dezenas de experiências com interpolações maiores onde isso não acontece. Tudo vai de que defeito é mais incômodo.

Acho, como disse, que a partir da exposição dos métidos é de cada um experimentá-los e escolher para cada caso o que interessa. Eu, por exemplo, tenho uma action de interpolação com 10 passos de 1%, tenho o plugin, etc, e sempre tento vários métodos e comparo ao final.

Ivan, já usou programa Genuine Fractals? Eu andei experimentando e achei bem interessante. Achei o resultado mais consistente do que no PS, mas não fiz testes profundos pois o programa expirou! rs…

Dig@o, o que você está considerando como linhas no resolution chart na verdade é moiré, como o Ivan comentou. Na verdade as linhas são bem mais “finas” do que aparece na foto. Mas é verdade que as pilhas ficaram melhores com interpolação direta.