O filme acabou

Prezados:

Quando comecei a frequentar listas de fotografia na Internet, pouco menos de dois anos atrás, falava-se da fotografia digital como algo muito insuficiente, e da foto com filme como a “séria”, mais séira ainda se fosse cromo. As câmeras compactas tinham 2mp, 3mp as mais avançadas, umas poucas como a Canon G5, a Nikon 5000 ou 57000 5mp. Fotografia digital avançada para amador era definida por esse padrão. Havia DSLRs caras.

Os que usavam filme comportavam-se como se tudo aquilo fosse um incômodo passageiro, e como se logo a verdade fosse ser restaurada. Diziam que os filmes tinha equivalência de 20mp, 30mp, 60mp, sei lá, qualquer coisa. Como o conhecimento sobre essa comparação era escasso, ficava por isso mesmo.

Mas hoje quando as resoluções mais altas estão disponíveis, está claro que um filme negativo fica lá pelos 6mp, que um cromo vai a 14 a custa de uma latitude estreitíssima, e que fora do universo PB, onde as cópias em papel OB são belíssimas e irreproduzíveis, as digitais já são instrumentos muito melhores que as câmeras de filme. Uma DSLR digital com 8mp bate qualquer câmera de filme, e bate mesmo nos ISOs altos, pois os ISOs altos em filme são cheios de grãos.

Por que digo isso? Agora mesmo acabei de olhar uma página de câmeras russas, uma enorme diversidade, câmeras interessantíssimas fabricadas desde 1930, e não tive vontade de ter nenhuma. Cheguei à conclusão que o equipamento de filme que tenho me basta, e tendo sido barato e sendo muito bom, vou usá-lo enquanto o mundo me permitir revelar filme na esquina, mas não vou comprar mais nem um outro.

Agora sei, sem dúvida nenhuma, que o filme acabou.

Ivan

Ivan, dia desses assistindo uma entrevista do Luis Tripoli na Globo News ele comparava a destinação do filme a algo cult, parecido com o que ocorreu aos LP’s com a entrada do CD. Não vai acabar na prática, mas vai ter um nicho (purista?) que continuaria fotografando com filme, mas ficou mais que evidente (isso que estamos ainda no início dessa revolução) que a câmera digital é muito mais funcional ao mercado. Mesmo nós que não somos profissionais de foto, preferimos a digital, que dirá quem necessita de mídia de baixo custo, melhor qualidade, ágil e portável, a digital veio p ficar sem dúvida.

Ivan,

A realidade é que a tecnologia tem evoluído muito, de tal forma que as grandes marcas de fotografia tem descoberto tecnologias capazes de imitar perfeitamente (ou até melhor) os resultados obtidos com as midias analógicas…

Como voce mesmo disse: Fotografia Digital veio para ficar… Ficar porque? Pelos motivos que o Guss disse e mais, ela favorece o avanço tecnológico, o mercado consumidor (que neste aspecto está em franco crescimento e que viabiliza pesquisas e investimentos) e pela corrida por mais qualidade e qualidade que as pessoas tem buscado.

Interessante como hoje em dia, mais e mais pessoas tem desejado um equipamento DSLR, coisa que antes, somente os apaixonados e saudosistas iam nesta direção (além dos profissionais, é claro). Hoje, várias pessoas com poucos conhecimentos estão se desbravando por esse caminho…

A fotografia digital vai banalizar um pouco o profissional, já que os designers profissionais tem roubado a cena já com seus tratamentos maravilhosos… E dentro em breve ninguem vai querer saber muito se tem PS ou não (alguns puristas sim, mas acho que isso também vai mudar), mas sim se a imagem representa aquilo que queremos mostrar…

Adoro fotografia digital… Assim como adoro tecnologia, já que fui criado, desde muito pequeno, com esses maravilhosos bits e bytes… (Ganhei meu primeiro CP200 da Prologica qdo tinha 6 anos - há 20 anos atrás).

Estamos em fase plena de mudanças…

E é bom fazer parte desta história!

Abraço,
Fernando

Fernando:

Eu também acho fantástico viver neesa hora de mudança, pois as horas de mudança são especialmente interessantes.

Acho que a nós cabe plasmar uma linguagem digital, que será um pouco diferente daquela do filme, com seus limites próprios e seus interesses próprios. Outro dia mostrei numa lista fotos feitas com a Kiev e com a s7000, e um aficcionado por câmeras russas disse não serem iguais. Mas quem disse que precisam ser? Meu interesse é fotografia, não a defesa de uma ou outra tecnologia. Como ele viu as fotos pequenas, não pôde ver que é verdade que eu perdia bokeh, mas a foto da s7000 suporta uma ampliação muito maior do que a de filme. É um perde-ganha, e estamos já depois da transição. Já se ganha mais do que se perde, e aquilo que se ganha é coerente com os requisitos da época.

Fico feliz de começar a ler isso, pois eu falei isso a 1 ano nos fóruns e fui massacrado por puristas. :slight_smile:

Graças a Deus não sou do tipo de pessoa que me prendo a nada e isso me permite avançar junto com as mudanças, sou do grupo dos desbravadores e isso me deixa feliz porque consigo ver e chegar na frente.
Fotografo profissionalmente com 95% Digital desde o início de 2003. :slight_smile: cheguei até a ouvir de clientes que digital não prestava, clientes que hoje aceitam muito bem e até dão preferência para as fotos feitas com a mesma 10D que eu tinha naquela época. :slight_smile:
O mundo mudou e graças a deus eu sai na frente :wink:

Fico feliz de começar a ler isso, pois eu falei isso a 1 ano nos fóruns e fui massacrado por puristas.

Após essa entrevista do Tripoli, que falo acima, outro fotógrafo (renomado, mas n lembro o nome) deu uma outra entrevista, ele, ao contrário do Tripoli, dizia-se injuriado pelo fato da câmera digital ter deixado a fotografia acessível a todos num sentido de qualquer poder vir a ser “fotógrafo”, ao passo que a convencional exigia custos altos, como dizendo que ninguém entrava na foto convencional só por brincadeira. Ela exigia mais comprometimento, ainda que financeiro. Disso eu tiro duas coisas, numa ele estava correto, em outra errou feio. Acho que acertou ao falar que a foto digital trazia muita mediocridade, por ser fácil fotografar, a foto pensada estava ficando escassa para dar lugar a uma foto massificada, quer dizer, lógico que de 200 fotos corridas é impossível não sair alguma que preste, mas não é intencional, é mero acaso, e nisso ele acerta, a fotografia convencional exige mais comprometimento, ninguém torra 10 rolos de filme na brincadeira, já na digital pode deletar, afinal é de graça. Em parte, justamente por isso (engraçado pq eu comecei a fotografar p valer com digitais) eu evito “enterrar” o dedo no disparador, tiro fotos com calma, curto pensar o que estou fazendo. Em outro comentário foi qd ele viajou, falava que a foto digital não alcançaria o filme em qualidade (já alcançou, penso eu) e que ele no máximo adquiriria uma câmera digital para mostrar testes mais rapidamente aos alunos, nos cursos em que dava, mas que jamais trabalharia com digitais. Esse tipo de coisa soa mais como um resmungo inconformado - que de qualquer forma n muda nada, o máximo que podem fazer é resmungar.

Bom gustavo, eu acho que a fotografia digital só fez mais gente brincar de fotógrafo, como o tunning fez mais gente brincar de piloto e por ai vai, mas ser fotógrafo ou piloto pra valer ainda exige muito mais do que atolar o dedo (ou o pé), é necessário conhecimento em várias áreas, que vão além da simples fotografia e passam por cenografia, iluminação, PS, direção, etc, fotografar continua sendo algo bem maior do que um apertar de botão e com custos elevados, pois a digital só mudou a mídia impressa, o restante da foto ainda é o mesmo e até mais caro (cenografia está cada dia mais caro). :slight_smile:

Fico feliz de começar a ler isso, pois eu falei isso a 1 ano nos fóruns e fui massacrado por puristas.

Após essa entrevista do Tripoli, que falo acima, outro fotógrafo (renomado, mas n lembro o nome) deu uma outra entrevista, ele, ao contrário do Tripoli, dizia-se injuriado pelo fato da câmera digital ter deixado a fotografia acessível a todos num sentido de qualquer poder vir a ser “fotógrafo”, ao passo que a convencional exigia custos altos, como dizendo que ninguém entrava na foto convencional só por brincadeira.


Eu penso diferente, porque afinal não teremos fotografos.
Se me permitem deixem me fazer uma pequena comparação, algo com que trabalho e posso falar melhor. O Mercado de Web Designer é um mercado com muitas pessoas que se dizem ser “Uébi Dezainers”, porém com poucos profissionaios capacitados. Eles (Uébi Dezainers) fazem um cursinho por aí, leêm apostilas na internet e ja são MANIPULADORES DE FERRAMENTAS, porém entre Manipuladores de Ferramentas e Web Designers, existe MUITA diferença.
O Verdadeiro Web Designer é aquele que cria sites bonitos, usual e etc.
O Manipulador de Ferramenta é aquele que cria muitos dos sites que temos por aí, sem diagramação nenhuma, cores completamentes erradas e etc.

Porém uma coisa que aconteceu no mercado, foi que muitos Uébi Dezainers, começaram a criar “sites”, pela metade do preço do que o comum, e o verdadeiro Web Design não pode mais cobrar o preço que ele deveriar cobrar pelo seu trabalho.

Espero que vocês tenham entendido aonde quis chegar. :wink:

Abrasss;
#Bruno Fermino#

Bruno, acho que era justamente isso q ele queria dizer. Fotógrafo mesmo não teremos muitos mais (tive o cuidado de colocar a palavra fotógrafo entre aspas), mas é bem isso que você falou: acaba ocorrendo uma depreciação geral do profissional sério, pq para o leigo que contrata sempre vai rolar aquilo de dizer - fulano de tal cobra metade, ainda que o trabalho do tal fulano não tenha metade da qualidade. Um exemplo, dias desses no fórum do orkut uma garota pediu para publicar seu site, “especializada” num nicho bem específico de fotografia (não vem ao caso). O site, trabalho de primeira, os preços tbm, trabalhos simples girando na casa de R$1500 a 2000 (sendo que o equipamento dela era uma câmera prata que tbm não vem ao caso mas que limitaria bastante dependendo do destino da imagem. Mas as fotos? Várias no portifólio com luzes estouradas e motivos óbvios, cansativas de olhar a ponto de fazer Bresson se sacudir no caixão. Ela se dizia fotógrafa, então tá…

Eu tenho tanto digital quanto filme … inclusive câmeras russas das décadas de 30, 40 e 50 … adoro filme … curto mesmo. Mas tb adoro digital … vivo nos dois mundos, sem traumas.
Quanto a qualidade, nem vou discutir … mas fotos que faço em filme e escaneio bem escaneado, não consigo reproduzir com digital nem com todo Photoshop do mundo. Fotos que faço com digital, não consigo reproduzir com filme de jeito nenhum.
Acho que o digital é mais uma opção … PB, Colorido e digital … três modo de praticar a arte fotográfica.

Voltando ao assunto de depreciação do profissional de fotografia, a alguns dias atrás eu fiz um trabalho para um conselho daqui de Brasília, e eu disse que ia mandar um fotógrafo pra fazer as fotos do local, eles me disseram que tinham fotógrafo, eu disse que tudo bem, que ia esperar o cara me trazer as fotos pra começar a execução do trabalho. Pois bem! O cara me chegou com uma D100 novinha com uma lente se não me engando, 70-200 uma super bolsa, um colete, com toda pinta de repórter fotográfico, me entregou o cartão com as fotos. Todas, todas as fotos estávam com problema ou de superexposição ou subexpostas, exceto umas que tinham sido tiradas do alto de uma caixa d’água muito alta, que pareciam ser fotos aéreas.

Ele veio me explicar que as fotos da caixa d’água foram tiradas pelo vigia do lugar, porque ele tinha medo de altura.

Só consegui aproveitar as fotos do vigia. Ou seja, o cara compra o equipamento, uma boa lente, se caracteriza e acha que é fotógrafo profissional. E o pior é que um cara desse está no mercado, roubando o trabalho de pessoas sérias que se didicaram, que buscaram o conhecimento. <_<

Um amigo meu me disse uma vez. “Coloca uma digital na mão de um macaco, com certeza pelo menos 1 entre 300 fotos vai sair boa”

"Coloca uma digital na mão de um macaco, com certeza pelo menos 1 entre 300 fotos vai sair boa"

heheh … ensina um macaco a usar o AutoFocus pro c ver … aposto q sai bastante coisa …

macaco é bicho esperto … surpreende todo mundo toda hora …

Gostei da parte do vigia, hauhauhua. Comédia.

Eu confesso que só comecei a gostar de fotografia nas digitais. O que eu considero a grande vantagem é experimentar e ver na hora os resultados, sem custo algum. Isso facilita muito o aprendizado. Além da troca de conhecimento claro. Você quer dar um exemplo de algum recurso para alguém. O que você faz? Tira uma foto, passa para o computador e mostra no fórum. Tudo isso de forma rápida e sem custo.

Pra mim o melhor jeito de aprender é tentando. Eu vou lá, tiro várias fotos, com configurações diferentes, e vejo os efeitos causados por cada uma. Isso seria inviável se usasse filme, eu gastaria uma fortuna. Da próxima vez que estiver numa situação parecida, eu vou lembrar dos testes, e vou saber o que usar e o que não usar.

E às vezes eu estou de bobeira em casa, pego a câmera e começo a tirar algumas fotos. Sem me preocupar se tem filme ou não, nem com a revelação.

Claro que isso é visão de um amador, se eu fosse experiente com analógicas e mudasse pras digitais, eu veria as coisas de um jeito diferente.

Realmente essa do vigia foi ótima hehe.

B) Só espero que as pessoas a quem ofereço minha camera de filme não leiam este post, tá cada vez mais difícil vender camera de filme usada. Tenho a N90s e tá sendo difícil pegar 1.500 num corpo novinho que custava 2.600 vindo da finada BH.
Só espero que apareçam, na segunda geração de prossumers de 8mp da Canon e Sony a opção de objetiva começando em 24mm(equiv. filme). A Nikon 8400 possui objetiva escura e CCD antiquado. Quando isso ocorrer me satisfará para o que preciso hoje em dia. Não esquento com ruído a ISO 400 pq sempre evitei filme 400 pelo grão e posso continuar vivendo a ISO 200 ou mesmo 100 e conseguir meus objetivos.
Bye

Eu achei excelente essa discussão.

Eu acho que a grande mudança está na revolução que os computadores estão trazendo para o mercado, na verdade para o nosso cotidiano. No caso da fotografia, acho que já foi bem explicado aqui. Deixa então eu citar mais um caso: sou engenheiro civil. Na área de cálculo estrutural existem diversos programas. Então muitos casos começam a surgir profissionais que conhecem do programa e passam a fazer projetos como se fossem engenheiros. Não acho errado um engenheiro utilizar o programa, muito pelo contrário. Mas acho muito errado um outro profissional fazer o papel do engenheiro utilizando o programa.

O mesmo ocorre no caso de projetos de instalações (tanto elétricas como hidráulicas). Em muitos escritórios existem os “CADistas”, que são os profissionais dos programas do tipo CAD. Pelo menos existe uma legislação que exige assinatura que um engenheiro. Em certos casos existe realmente apenas a assinatura.

Eu acho que o computador facilitou o trabalho em diversas áreas, mas não excluiu o bom profissional do mercado. Pelo contrário, apresentou a ele uma gama de ferramentas que pode tornar o seu trabalho ainda melhor.

Eu concordo que a digital veio para ficar. Acredito que não só a fotografia digital, mas sim uma era.

Fico por aqui.

Ao Charles:

Realmente as fotos com filme não são iguais às digitais. Em muitos aspectos são melhores. Mas esse melhor, Cgarles, não é produto do tipo de sensor (químicou ou eletrônico) e sim do ajuste da ótica ao sensor. Ainda temos cãmeras digitais que são adaptações de óticas para filmes, e até isso se resolver demorará.

Por exemplo: as lentes intercambiáveis são coisa necessária, mas, para que o espelho? Não seria possível uma câmera que trocasse de lentes sem ele, e com isso pudesse ter lentes com projeto parecido com os das rangefinders?

Acho que o formato digital verdadeiro ainda não chegou. Como alguém comparou em outra lista, é uma criança comparada a alguém de meia idade. Contudo a criança já é mais versátil e pratica, e no cômputo geral é preferível.

Quanto ao macaco, coloque uma EOS de filme em modo automático e dê para o macaco que ele também acerta. No fundo somos macacos, o Darwin já disse -risos.

Achei muito legal essa discussão e queria participar também !
Quanto à digital , veio pra ficar e ponto.
Mas eu vou falar um pouco de mercado, trabalho com manutenção em áudio profissional e posso dizer que curiosos e fuçadores em eletrônica não faltam, e isso já me atrapalhou um pouco.
Porém, o mercado é seletivo e o que aconteceu foi que, depois de bater cabeça, quem quer e pode pagar por um serviço de qualidade não vai abrir mão disso.
Hoje, não venço a quantidade de serviço e adoro essa concorrência dos fuçadores : Cada bom cliente que cai na mão deles será um provável cliente meu ou de outro profissional sério em breve.
Espero que entendam o que quero dizer, toda mudança gera outras e todos vamos nos adaptando, o mercado também e isso leva um tempo.
Acho que o bom profissional, que souber se adaptar às mudanças, terá sempre uma vantagem importantíssima : a confiança dos melhores clientes (e provavelmente poderá cobrar mais do que cobrava antes).
Em fotografia , eu sou só um amador apaixonado, mas acho que isso se aplica da mesma maneira.
O que vcs acham ?

Abraços,
Surtão…